Se uma instalação elétrica é de modestas dimensões, assim como poderia ser um apartamento  de tamanaho médio, o ELETRICISTA para distribuir a rede elétrica pode considerar suficiente um único quadro de força e oportunas caixas de passagens ou   derivações. Estas são disponíveis comercialmente em tipos arredondadas (geralmente menores), quadradas e retangulares (quando maiores).

caixa de passagem ou derivação, é o lugar pelo qual através dos conduítes, executadas dentro de um traçado ou mesmo externamente através de canaletas e caixas fixadas nas paredes, levam os condutores que compõem os circuitos da instalação elétrica à serem “conectados” – “coligados” e reenviados, daqui vem a expressão derivação, em uma outra canalização e/ou direção à um outro circuito. Em função do número de condutores que convergem na caixa de passagem e das relativas conexões o ELETRICISTA avalia a grandeza para dispor na fase de construção e/ou adequamento da instalação elétrica. A escolha do tipo de caixa de passagem depende também do lugar na qual essa deve ser colocada e é importante que o ELETRICISTA, sobretudo para ambientes sujeitos a umidade, considere a oportunidade de usar aquela com o correto grau de proteção (exemplo: a prova d’água)

Além da caixa de passagem existe a caixa multifuncional aonde se pode predispor todos os tipos de de interruptores unipolares (inversores, desviadores, pulsantes, etc) e todos os tipos de tomadas monofásicas, assim como aquelas para a rede telefonica e/ou televisiva. A caixamultifuncional varia somente na largura (capacidade de quantidade de módulos de comandos) e tem uma altura standard porque sobre esta se pode adaptar vários outros de marcas diferentes, através dos dispositivos de encaixe existentes. Também a caixa multifuncional pode ser fixada dentro da parede ou memo externamente e para isso existem aquelas que tem um elevado grau de proteção).

QUAIS SÃO OS PROBLEMAS DERIVADOS DA CAIXA? QUAIS SÃO AS SOLUÇÕES AOS PROBLEMAS?

Se a caixa  de derivação é muito cheia de condutores causa efeitos negativos, do tipo estético e do tipo técnico. O problema estético é porque a tampa da caixa se infla e não fecha de modo homogéneo com a parede. Piores são os problemas técnicos, de fato quando são muitos os condutores em uma caixa, não se pode fazer uma manutenção cômoda nos mesmos, outros eventuais condutores para o incremento de circuitos não podem ser inseridos e além disso não se dispersa suficientemente o calor que os condutores em função normalmente desprendem. Nestes casos conta muito o projeto do ELETRICISTA (avaliação correta da grandeza da caixa) ou mesmo a sua capacidade, em fase de montagem, de dividir as conexões, em outra caixas se possível, de outro modo deve proceder com a substituição. No caso se quisesse incrementar os circuitos e acaixa de derivação o consentir, o ELETRICISTA pode adicionar outros interruptores ou módulos em uma caixa multifuncional sempre que esta tenha espaço suficiente como previsto pelo formato da mesma caixa, senão com oportunos interventos de alvenaria deve substituí-la.