Interruptor

Os interruptores preponderantemente usados para uso doméstico são diferenciados em duas tipologias ou categorias de atribuição: os  interruptores unipolares e os  interruptores bipolares. Existem também os interruptores tripolares para equipamentos que funcionam com tensão elétrica de 400 Volts  (trifásica), mas estes são aplicados em um campo técnico profissional muito específico.

interruptor unipolar é atravessado por dois condutores (fios), condutores de fase (positivo) e condutor de neutro (negativo), o qual quando acionado interrompe a continuidade de um dos dois condutores (abre o circuito) impedindo a circulação da corrente no circuito e conseqüentemente desativa um utilizador ou aparelho elétrico.

O circuito monofásico de fato é como um anel constituido por dois condutores, um envia corrente (fase) e um utilizador que o usufrui por exemplo, um soquete (se acende uma pequena lâmpada), a partir deste sai um outro condutor (neutro que fecha o circuito tornando–o ativo. Na categoria dos interruptores unipolares podem entrar também: o DESVIADOR para acender e/ou apagar as luzes a partir de dois lugares distantes entre eles; INVERSOR para acender e/ou apagar as luzes em mais de dois pontos; PULSANTE que é igual a um normal interruptor, mas no seu interior tem uma mola que o coloca em sua posição original depois de tê-lo acionado (útil para um tom de chamada).

Porém atenção, um ELETRICISTA tem o conhecimento que o interruptor  unipolar desativa o circuito (apaga a lâmpada), NÃO quer dizer que no soquete NÃO tenha corrente, o interruptor unipolar de fato interrompe somente a circulação da corrente, mas de um dos dois extremos dos condutores a corrente poderá de qualquer maneira existir. Por este motivo o ELETRICISTA quando deve intervir por qualquer que seja o motivo, elimina completamente a corrente do circuito elétrico desativando o condutor da fase e o condutor neutro, isto é desligando totalmente o utilizador da instalação, agindo sobre os dois pólos. Para fazer isto o ELETRICISTA intervém nodisjuntor (interruptor bipolar) magnetotérmico, que geralmente fica no quadro elétrico e em um Apartamento por exemplo corresponde ao interruptor usado com a função de secionamento e de proteção. Este seciona (ativa-desativa) os circuitos dos utilizadores, o circuito de luz (de 10 A) ou mesmo o circuito de força motriz (de 16 A). O ‘‘número’’ con a letra (A= ampêre) se refere ao grau de proteção que tem o interruptor em virtude do uso máximo de corrente que por este protegido. O interruptor magnetotérmico proteje o circuito (se desprende automaticamente) em caso de curto circuito e/ou de sobrecarga, de fato com o seu mecanismo manifesta dois tipos de reações de proteção, funcionamento de tipo magnético por curto circuito e de tipo térmico por sobrecarga. O curto circuito se verifica quando ocorre a união de dois pontos de um circuito elétrico realizando a assim chamada ‘‘resistência nula’’ (coligação entre pólo positivo e pólo negativo com ausência de resitência entre os dois). Nestas condições o circuito ‘‘comanda-limita’’ a tensão para ser quase nula, mas não tem ‘‘comandos-limitações’’ sobre o flusso de carga elétrica (corrente) a qual passa nos condutores até atingir enorme potência (ampêre) e acabam se fundindo juntas (efeito Joule). A sobrecarga se verifica quando os vários utilizadores (eletrodomésticos, utensilhos, iluminação, etc) absorvem maior corrente em respeito àquela consentida pelo contrato de fornecimento da Empresa distribuidora do serviço.

Dentro da categoria de interruptores bipolares (disjuntores) existe o interruptor diferencial (chamado salva-vida). Este particolar  interruptor é marcado no quadro elétrico por um pequeno pulsante (sinalizado por um ‘‘T’’) que serve para um teste de funzionamento, efetivamente é aconselhavel de tanto em tanto apertá-lo, assim ele se desprende e nôs asseguramos de sua eficiência. O ELETRICISTA quando monta um quadro elétrico coloca o o interruptor  diferencial ‘‘ao início’’ de todos os outros interruptores do quadro , porque isso tem uma função de verificar que entre a corrente que sai (positiva) e aquela que entra (neutra) não exista diferença, senão se desprende para proteger da dispersão. O ELETRICISTA é ao conhecimento do fato que o interruptordiferencial de um Apartamento não deve ter um valor de sensibilidade maior que 30 milésimos de ampêres.

QUAIS SÃO OS PROBLEMAS QUE PODEM CAUSAR O INTERRUPTOR ELÉTRICO? QUAIS SÃO AS SOLUÇÕES AOS PROBLEMAS?

O problema principal que apresenta o interruptor unipolar é o seu desgaste e/ou oxidação (que muito depende do ambiente que o circunda) que com o tempo poderia fazê-lo perder as suas características mecânicas e/ou de condutividade das braçadeiras internas.

Se o ELETRICISTA encontra este inconveniente deverá substituir o interruptor defeituoso. Se a instalação elétrica e/ou os componentes que a constituem são velhas e/ou não funcionam perfeitamente, podem acontecer principalmente as dispersões. Quando o interruptor (disjuntor) bipolar diferencial desprende-se, significa que a corrente saída com o condutor de fase antes de entrar através do condutor neutro, está se dispersando de algum modo.

A dispersão pode ser a consequência de absorção de corrente por parte de uma pessoa (se diz que toma um choque elétrico) ou a corrente é absorvida pela instalação de terra porque um eletrodoméstico perdeu o seu isolamento (se diz que a massa descarrega por terra). Se um circuito é sobrecarregado (uso de energia maior daquela suportada pela instalação), o interruptor  bipolar magnetotérmico intervém como um limitador desativando-se.

interruptor bipolar magnetotérmico ‘’desprende-se’’ também em caso exista um eletrodoméstico avariado, ou se os condutores de uma tomada e/ou aqueles de um lustre perderam o seu isolamento e criaram um curto circuito entre eles. O ELETRICISTA pode verificar através de mensurações com instrumentos idôneos ou por exclusão pode individuar os pontos de dispersão e os curtos circuitos, e resolver o problema.