Os insetos não são os únicos intrusos que moram nas nossas casas: Ratos e Ratazanas constituem por sua vez uma ameaça, especialmente nas casas que oferecem muitos espaços embaixo dos pisos.

Nestes lugares vivem e multiplicam-se despreocupados encontrando comida em abundância e invadindo os espaços habitados. Os Ratos são na verdade um incômodo, mas as Ratazanas podem representar um verdadeiro perigo para a saúde e devem ser eliminadas.

Também os morcegos, nidificam nas casas, habitualmente no sótão. São totalmente inócuos, ao contrário, nutrindo-se de insetos nocivos, tornam-se muito úteis. Todavia o encontro com eles nos campos é cada vez mais raro.

RATOS

Os Ratos são atraídos pelos restos de comida que caem no chão: a melhor prevenção consiste em manter bem limpos os pisos. Os Ratos porém são rápidos em se mover de uma casa para outra através dos telhados, entre os espaços atrás das paredes e dos forros, e por isso as vezes é difícil eliminá-los completamente.

Para controlá-los espalham-se na casa iscas envenenadas enroladas em folhas de Papel ou Papelão, assim é fácil depois remover aquelas não tocadas. Meninos e animais domésticos devem ser cuidadosamente mantidos longe das iscas. Se depois de três meses ainda se encontram sinais da presença dos Ratos, deve-se recorrer as armadilhas. Com aquele do tipo “gaiola”, capturam-se os Ratos vivos, os quais depois serão liberados longe da casa, com aquelas do tipo à mola ao invés, os Ratos morrem.

Geralmente as armadilhas que se usam são certamente poucas. Como regra se posam a cada 2m ao longo dos percursos habituais. A melhor posição para a colocação é próxima ao rodapé, ao lado das paredes. As armadilhas se preparam usando farinha, pedacinhos de queijo ou chocolate fixando-os ao gancho da isca. Os ratos mortos se eliminam de preferência enterrando-os ou queimando-os.

RATAZANAS

Nas condições domésticas da classe média é difícil que se criem infestações graves de Ratazanas, que ao contrário são um verdadeiro problema nas áreas rurais e perto dos rios, riachos e depósitos portuários. Matam-se com venenos ante-coagulantes; mas devido ao fato que estes produtos são perigosos para saúde é sempre melhor consultar a repartição da Higiene Publica.

MORCEGOS

Os morcegos preferem morar nas estruturas desabitadas (estruturas agrícolas, grutas, galerias etc.), mas ocasionalmente podem resolver morar também em edifícios habitados. Absolutamente não são perigosos: não comem madeira nem tinta de parede e os excrementos deles são compostos por esqueletos secos de insetos. Na realidade os morcegos são preciosos, quando presentes nos forros, porque se nutrem de insetos xilófagos.

Os morcegos tornaram-se muito raros, algumas espécies são mesmo protegidas. Além de ser ilegal é realmente estúpido matá-los, ferí-los, destruir os ninhos deles ou bloquear os caminhos de entrada aos ninhos.

Antes de encharcar a madeira dos sótãos, aonde moram morcegos, com tintas de proteção que poderiam ser danosas para eles, é melhor consultar uma entre as muitas associação de proteção dos animais. Quando entram em lugares habitados, é preciso não perder a calma. Os morcegos preferivelmente evitam as pessoas e de qualquer modo não ficam presos nos cabelos como contavam as nossas avós.

É suficiente abrir as portas e as janelas e deixar sair o animal. Se arrastam-se no chão, precisa pegá-los com muita atenção com luvas e levá-los ao externo.

PRECAUÇÕES NO USO DOS VENENOS

Os venenos produzidos para eliminar os roedores são mortais também para o homem: portanto é muito importante seguir exatamente todas as instruções que vem juntas nas embalagens. Devem-se colocá-los em lugares longe do alcance das crianças, dos animais domésticos e selvagens. Nunca colocá-los embaixo dos lavabos das cozinhas aonde podem ser trocados por produtos de uso domésticos nem em lugares aonde podem contaminar os alimentos.

Em caso de ingestão acidental por parte de animais ou humanos, é importante levar consigo a embalagem para que o veterinário ou o médico possa identificar o tipo de veneno rapidamente. Venenos e substâncias químicas manuseiam-se sempre com as mãos protegidas por luvas.