Tomada e plugue

tomada é um dispositivo com um circuito formado por dois condutores. Se esta é monofásica, torna possível usar a corrente para um eventual aparelho. A tomada de fato assim como somos habituados a observá-la apresenta três “aberturas” – “furos”, dos quais dois são na extremidade (condutores fase e/ou neutro do circuito) e uma ao centro (condutor de terra), e estas fissuras na gíria são chamadas também de “fêmea”. Da união das duas aberturas, através do plugue, se fecha o circuito no qual se “extende”, se “prolonga” através do aparelho quando este se ativa. O ELETRICISTA pode instalar a tomada encaixada no muro, depois ter realizado uma adequada canalização dentro de um traçado e predisposta uma caixa para o seu alojamento ou mesmo externamente através de canaletas e caixas fixadas sobrepostas nas paredes.

plugue como acima indicado é o ponto extremo de um utensílio que em resumo funciona como um interruptor porque quando se insere na tomada (por isto na gíria o plugue atua como macho) conecta o circuito e o ativa favorecendo o funcionamento do mesmo; quando se extrai ele se abre o circuito e desativa o flusso de energia elétrica assim como do aparelho. Para funcionar também na tomada necessariamente estão os três condutores (extensão do circuito) dois coligados aos plugues externos (fase e/ou neutro), e o terceiro central correspondente ao fio condutor do terra.

As tipologias de tomada plugues com as relativas características técnicas podem ser elencadas assim como a seguir:

  • Tipo “1” de 10 A
  • Tipo “2” de 16 A
  • Tipo “3” de 10 A e 16 A (duas dimensões)
  • Tipo “4” de 10 A e 16 A (schuko:com duplo contato de proteção)
  • Tipo “5” industrial

Considerando que uma tomada é um “terminal” em um circuito elétrico, e que o plugue é o meio que leva energia à um utensílio elétrico e que antes estão os condutores e um interruptor de seccionamento e proteção, todos estes componentes da instalação elétrica devem ser proporcionais e portanto o ELETRICISTA deve montà-los em respeito à norma técnica e de segurança vigente. O “número” com a letra “A” faz referimento ao grau de proteção que tem o interruptor em virtude do uso máximo de corrente usado no circuito por este protegido. De fato a letra “A” é o simbolo que representa a unidade de medida da intensidade de corrente (Ampêre). Quando o circuito é protegido por um interruptor de 10 ampêres significa que pode resistir até o uso de corrente com potência máxima de aproximandamente 2000 watts. Quando o circuito é protegido por um interruptor de 16 ampêres significa que pode resistir até ao uso de corrente com potência máxima de cerca 3500 watts.

Quando temos uma tomada do Tipo “1” de 10 A, esta é alimentada por condutores de 1,50 m², protegida por um interruptor de 10 ampêres e à esta não se pode ligar um plugue de 10 ampêres que ativa um utensílio com uma potência além de 2000 watts (por exemplo através dos adaptadores) de outro modo o circuito vai em sobrecarga e com uso prolongado também em curto.

Quando temos uma tomada do Tipo “2” de 16 A esta é alimentada por condutores de 2,50mm², protegida por um interruptor de 16 ampêres e a esta se pode conectar um plugue de 16 ampêres que ativa um utensílio com uma potência com mais de 2000 watts e até a 3500 watts, mas não além, porque de outro modo o circuito vai em sobrecarga.

Quando temos uma tomada do Tipo “3” de 16 A (duas dimensões) esta é alimentada por condutores de 2,50mm², protegida por um interruptor de 16 ampêres e a esta se pode conectar tanto umplugue de 10 ampêres como um de 16 ampêres.

Quando temos uma tomada do Tipo “4” (schuko:com duplo contato de proteção), denominada também “alemã” as suas características técnicas são similares ao Tipo “2” com diferença que a tomada é desprovida de “furos” centrais porque os contatos para o terra são externos e colocados ao lado aonde se conecta o plugue. Para inserir um plugue clássico “italiano” na tomada do tipo alemã (schuko) poderá ser necessário um adaptador e assim também se tivesse que utilizar umplugue tipo alemão (schuko) para uma tomada “italiana”.

Quando temos uma tomada do Tipo “5” Industrial, não estamos mais nas mesmas condições de um ambiente “doméstico” e/ou de uma habitação, esta é de um tipo de tomada especial utilizada para condições mais extremas como poderia ser aquela industrial e/ou a de um canteiro (são particularmente distinguíveis pela sua cor azul). Esta é projetada para suportar ações mecânicas de um certo tipo, para resistir aos agentes atmosféricos e agressões químicas, garantindo desse modo standards de segurança em respeito as normas. O plugue é adaptado ao sistema de encaixe datomada e excepcionalmente outros plugues podem ser coligados somente através de adaptadores especiais.

Neste âmbito existe também a tomada e o plugue industrial trifásico para utensílios que vão em corrente de 400 volts (são particularmente distinguíveis pela cor vermelha). O plugue e a tomadaindustriais trifásicos, podem ter três fases + um neutro e o terra (3P+N+T) ou mesmo três fases + o terra (3P+T) em base às Máquinas que funcionam com ou sem o condutor neutro.

QUAIS SÃO OS PROBLEMAS DERIVADOS DA TOMADA E DO PLUGUE? QUAIS SÃO AS SOLUÇÕES AOS PROBLEMAS?

tomada mais do que o plugue pode ser uma fonte de perigo (choque elétrico) se devessemos introduzir em um dos “furos” correspondente à fase, um objeto de metal. Para evitar esta eventualidade, sobretudo se tem crianças em casa. O ELETRICISTA pode instalar tomadas que no interno dos “furos” existem botoeiras elásticas de fechamento que permitem a conexão elétrica somente quando inserido um plugue compatível.

tomada pode ser um ponto de referência fraco se devesse ser sobrecarregada com muitos utensílios através dos adaptadores. É obvio que os adaptadores podem favorecer o uso de alguns eletrodomésticos contemporaneamente, mas o excessivo absorvimento e a ‘multiplicação dos contatos’(macho –fêmea) que se formam criam instabilidade nos contatos, e consequente aquecimento dos componentes por efeito joule (tomada-adaptadores-plugues), o desgaste das partes isolante dos mesmos e consequentes curto-circuito.

plugue ao invés poderia criar inconvenientes se fosse por exemplo do Tipo “1” de 10 A em uso por um potente utensílio (estufa, aquecedor de água, forno, etc) neste caso o ELETRICISTA deve substituir com o Tipo “2” de 16 A imediatamente, de outro modo poderá fundi-la por excessiva potência de absorção do utensílio.